AONDE VAMOS PARAR?

Por Fabio Aires da Cunha*

.

O futebol é um esporte de competição e é justamente nessa competição que está sua graça.

Para um time sair vencedor é necessário que se tenha um perdedor, mas o perdedor de hoje pode ser o vencedor de amanhã e, assim, sucessivamente. Aí está a beleza e o encanto do esporte, as vitórias e as conquistas vão se alternando entre as equipes que disputam um torneio ao longo dos meses e anos.

Se um determinado campeonato fosse disputado por uma ou duas equipes ou se somente um time sempre vencesse, com certeza ele não existiria e, consequentemente, o futebol também não existiria.

Um dos encantos desse esporte é justamente a diferença de paixão, é a diferença de torcida, é o torcedor escolher uma cor de camisa. Se acabarmos com a torcida, o futebol acaba, pois a paixão é o que move o esporte, sem torcida não há razão de existir a competição. É o torcedor que compra o produto futebol.

A violência entre torcedores é um acontecimento que reflete toda a decadência e degradação da sociedade atual. Um “ser humano” que tira a vida de outro, simplesmente porque o mesmo torce por outro time é um fato lamentável, condenável e, totalmente descabido.

Será que essa pessoa que pratica tal ato deve se vangloriar por isso? Será que esse indivíduo dorme tranquilamente sabendo o que fez?

Se todos os torcedores do time rival fossem exterminados, esse time desapareceria e, consequentemente, os outros também desapareceriam, ou seja, esses crimes bárbaros, além de serem ações totalmente condenáveis contra a vida, são atos contra o esporte, contra a graça da rivalidade sadia.

Muitos criticam a polícia, mas o grande problema é a impunidade. O que adianta a polícia prender um marginal desses, se o mesmo em poucas horas está nas ruas novamente sendo idolatrado por seus pares. Seria necessário criar no Brasil uma legislação penal específica para o futebol. Não é concebível que pela importância que a modalidade tem no país, atos de vandalismo e crimes hediondos se enquadrem em leis arcaicas e, que não punem adequadamente e com rigor esses atos.

Deve ser adotada a tolerância zero com esses criminosos do esporte. Medidas radicais e severas devem ser adotadas ou estaremos compactuando com essa violência que aos poucos está matando a beleza do esporte que é a rivalidade sadia, que é o torcedor tirar sarro do adversário no dia seguinte ao jogo, que é a discussão sobre lances polêmicos.

O mundo civilizado, os verdadeiros torcedores, o mundo do esporte estão cansados de ler, ver e ouvir toda a semana sobre atos de vandalismo e crimes praticados por torcedores de futebol.

Acredito que medidas radicais e severas como banimento dos estádios, encarceramento sem direito a condicional, comparecimento à delegacia em dias de jogos, extinção real das torcidas violentas e outras medidas punitivas, devam ser adotadas imediatamente para que se possa começar a acabar com atos praticados por animais e não seres humanos.

Ou se age com rigor e agilidade, sem a hipocrisia de muitas pessoas que militam no futebol, ou em pouco tempo viveremos num mundo de caos onde bandidos determinarão o que é certo e errado. A sociedade civilizada não pode perder para a queda de braço para a marginalidade.

.

.

2009

* Autor do livro Torcidas no Futebol – Espetáculo ou Vandalismo?

Os comentários estão encerrados.